Resultado de imagem para slackline banner de compra

Desta vez o bate papo é sobre o Slackline e tem tudo a ver com equilíbrio e concentração. Praticar o esporte nada mais é do que andar na corda bamba. Na verdade, quando você pega o jeito, ela não fica tão bamba assim.

“O objetivo do slackline é você ter equilíbrio e consciência corporal… a caminhada na fita do slackline é consequência de você aprender a equilibrar uma perna, depois a outra”, explica o atleta Júlio Valverde, que está entre os trinta melhores atletas do mundo!
História

O slackline surgiu na década de 80, em Yosemite Valley, na Califórnia, Estados Unidos. Durante suas aventuras, os escaladores esticavam fitas e cordas para fazer a travessia entre dois pontos fixos. Com isso, treinavam o equilíbrio, necessário também para a escalada.

Com o tempo, a prática virou esporte, conquistando fãs e praticantes ao redor do mundo. Assim surgiram as diferentes modalidades do esporte.
Modalidades

Existem diferentes formas de se praticar o slackline e vai do gosto e da prática de cada um.
Shortline: ideal para iniciantes, o shortline é a modalidade em que a fita é esticada em uma altura mais baixa, para evitar quedas.

Trickline: fita mais baixa não significa que é fácil. O trickline é a modalidade mais praticada entre os esportistas e se resume à prática de manobras radicais. Para isso, é necessário muito equilíbrio e preparo físico.

Longline: se resume a longas travessias normalmente maiores do que 20 metros. Quanto maior a fita, maior equilíbrio e esforço muscular é exigido do praticante.

Highline: para quem tem medo de altura, essa pode não ser uma boa. O highline consiste em atravessar a fita nas alturas, superiores a 5 metros. Para isso, é preciso conhecimento em alpinismo e técnicas de segurança. É preciso também controle mental de ansiedade, medo e adrenalina.

Waterline: o waterline é a prática do slackline sobre as águas, sejam elas de rios, piscinas ou praias. A queda nesse caso é mais tranquila e refrescante.

A prática do slackline ajuda tanto nas coordenações motoras e também o psicológico  (Foto: Reprodução EPTV)